Recursos Educativos Digitais: Estudo sobre o interesse despertado pelos diversos tipos

Artigo elaborado no âmbito do tema 3 da Unidade Curricular “Metodologia de Investigação em Contexto Online”

 

1. Introdução

Os Recursos Educativos Digitais (RED) são ferramentas imprescindíveis no apoio ao ensino à distância. Devido à dificuldade em se auto motivar, imposta pelo isolamento inerente ao estudante online, julgamos que o interesse que os RED podem despertar nos aprendentes, através da forma como apresentam os conteúdos, é fundamental na implementação do desejo de aprender e na manutenção do esforço de aprendizagem.

Pelos mesmos motivos, também procuramos saber o tipo de RED que os professores utilizam, quer estes sejam por si originalmente criados, quer sejam pesquisados, descarregados da net e por si adaptados para as suas aulas.

Pretende-se, por isso, saber qual o tipo de Recurso Educacional Digital que goza do favoritismo de alunos e de professores.

 

2. O instrumento de recolha de dados

Para tentar responder ao problema de investigação, foi criado um inquérito por questionário onde os inqueridos, depois de visualizarem três recursos educativos digitais, um em formato de texto (pdf), outro em formato de áudio e um terceiro em formato de vídeo, todos eles com o mesmo conteúdo educativo, os avaliam em função do grau de interesse que estes lhes despertaram.

Para cada Recurso educativo foi apresentada uma questão onde, através de uma escala de Likert, o inquerido respondeu qual o grau de interesse em si despertado, numa escala de 1 a 5 onde o 1 significava que o RED era “muito desinteressante e pouco estimulante para a aprendizagem” e o 5 significava que o mesmo era “muito interessante e estimulava a vontade de aprender”.

Depois de avaliar os três RED, na qualidade de aprendente, foi perguntado ao inquirido se alguma vez tinha estado no papel de professor/formador informando-o de que caso a resposta fosse negativa, o questionário terminava ali.

Seguidamente, os inquiridos com experiência de professor/formador, avaliaram os RED, segundo a mesma escala de valores atrás referida, relativamente ao interesse que estes despertaram, na perspetiva de uma futura utilização dos mesmos como instrumento de apoio à aprendizagem.

O questionário para a recolha de dados foi elaborado no Google Drive, ferramenta talvez um pouco minimalista para questionários aplicados a investigações mais profundas mas que é muito prático em questionários que não sejam muitos extensos e complexos. A utilização do Google Drive como ferramenta de recolha de dados tem a vantagem de os dados serem recolhidos e guardados, automaticamente, numa folha de cálculo.

O questionário ficou disponível em: https://docs.google.com/forms/d/1_keCyLWP7_e3BjllfhIAkqz-IydMsJzMBnJ76Qx75sU/viewform?usp=send_form

 

3. Implementação da recolha de dados

Depois de testada a ferramenta de recolha de dados e verificada a sua operacionalidade foi solicitado aos colegas do MPEL 7 que frequentam “Metodologia de Investigação em Contextos Online”, através do “Fórum Recolha e Análise de Dados” e aos restantes colegas do MPEL 7 e MPEL 6, através dos respetivos grupos do Facebook que, como amostra para a pesquisa em questão, respondessem ao inquérito.

 

4. Organização e análise dos dados recolhidos

Depois de o questionário ter estado disponível para resposta durante 7 dias, entre 06 e 13 de Maio, foram organizados e analisados os dados. Utilizando o ficheiro Excel onde estes foram recolhidos, foram organizados de forma a que as respostas pudessem ser analisadas.

Existiram 17 respostas ao questionário. Entre essas 17 respostas, apenas 2 inquiridos nunca se tinham encontrado na situação de professor/formador. Como resultado final tivemos 17 respostas na perspetiva de aprendente e 15 respostas na perspetiva de professor/formador.

As três primeiras perguntas, a serem respondidas na perspetiva de aprendente, demostraram-nos que:

A pergunta 1. “Como aprendente, relativamente ao grau de interesse que desperta, como classifica o recurso de aprendizagem digital no formato texto que se encontra em http://goo.gl/2VHbbO?”, as respostas foram dadas através de uma escala de 1 a 5, onde o valor 1 significava que o recurso era muito desinteressante e pouco estimulante para a aprendizagem e o valor 5 expressava que o recurso era muito interessante e estimulava a vontade de aprender, obteve uma média de 3,5.

Contabilizando-se as seguintes respostas:

Classificação 1 0 respostas  
Classificação 2 3 respostas  
Classificação 3 6 respostas  
Classificação 4 4 respostas  
Classificação 5 4 respostas  

Grafico1

 Figura 1. – Gráfico relativo à pergunta 1

A pergunta 2. “Como aprendente, relativamente ao grau de interesse que desperta, como classifica o recurso de aprendizagem digital no formato áudio que se encontra em http://goo.gl/GTrKMm?”, as respostas foram dadas através de uma escala de 1 a 5, onde o valor 1 significava que o recurso era muito desinteressante e pouco estimulante para a aprendizagem e o valor 5 expressava que o recurso era muito interessante e estimulava a vontade de aprender, obteve uma média de 3,5.

Contabilizando-se as seguintes respostas:

Classificação 1 1 respostas
Classificação 2 1 respostas
Classificação 3 6 respostas
Classificação 4 7 respostas
Classificação 5 2 respostas

Grafico2

 Figura 2. – Gráfico relativo à pergunta 2

A pergunta 3. “Como aprendente, relativamente ao grau de interesse que desperta, como classifica o recurso de aprendizagem digital no formato vídeo que se encontra em http://goo.gl/2d5yXP?”, as respostas foram dadas através de uma escala de 1 a 5, onde o valor 1 significava que o recurso era muito desinteressante e pouco estimulante para a aprendizagem e o valor 5 expressava que o recurso era muito interessante e estimulava a vontade de aprender, obteve uma média de 4,4.

Contabilizando-se as seguintes respostas:

Classificação 1 0 respostas
Classificação 2 0 respostas
Classificação 3 3 respostas
Classificação 4 5 respostas
Classificação 5 9 respostas

Grafico3

Figura 3. – Gráfico relativo à pergunta 3

A pergunta 4. “Já alguma vez se encontrou na situação de professor/formador?” foi respondida com “sim ou não” e teve o objetivo de separar as respostas dadas no papel de aprendente das respostas dadas no papel de professor/formador. Se algum dos inquiridos não tinha experiência como professor/formador não devia responder às perguntas 5, 6 e 7. Dos inquiridos, 15 tinham experiência como professor/formador e 2 nunca estiveram nesse papel.

Resposta Não 2
Resposta Sim 15

 

Grafico4                                          Figura 4. – Gráfico relativo à pergunta 4

 As três últimas perguntas contaram apenas com a resposta de 15 inquiridos e as respostas foram as seguintes:

A pergunta 5. “Como professor/formador, e na perspetiva de uma futura utilização como instrumento de apoio à aprendizagem, como classifica o recurso de aprendizagem digital no formato texto que se encontra em http://goo.gl/2VHbbO?”, as respostas foram dadas através de uma escala de 1 a 5, onde o valor 1 significava que o recurso era muito desinteressante e pouco estimulante para a aprendizagem e o valor 5 expressava que o recurso era muito interessante e estimulava a vontade de aprender, obteve uma média de 3,5.

Contabilizando-se as seguintes respostas:

Classificação 1 1 respostas
Classificação 2 2 respostas
Classificação 3 5 respostas
Classificação 4 2 respostas
Classificação 5 5 respostas

Grafico5Figura 5. – Gráfico relativo à pergunta 5

A pergunta 6. “Como professor/formador, e na perspetiva de uma futura utilização como instrumento de apoio à aprendizagem, como classifica o recurso de aprendizagem digital no formato áudio que se encontra em http://goo.gl/GTrKMm?”, as respostas foram dadas através de uma escala de 1 a 5, onde o valor 1 significava que o recurso era muito desinteressante e pouco estimulante para a aprendizagem e o valor 5 expressava que o recurso era muito interessante e estimulava a vontade de aprender, obteve uma média de 3,5.

Contabilizando-se as seguintes respostas:

Classificação 1 1 respostas
Classificação 2 1 respostas
Classificação 3 6 respostas
Classificação 4 4 respostas
Classificação 5 3 respostas

Grafico6

Figura 6. – Gráfico relativo à pergunta 6

A pergunta 7. “Como professor/formador, e na perspetiva de uma futura utilização como instrumento de apoio à aprendizagem, como classifica o recurso de aprendizagem digital no formato áudio que se encontra em http://goo.gl/GTrKMm?”, as respostas foram dadas através de uma escala de 1 a 5, onde o valor 1 significava que o recurso era muito desinteressante e pouco estimulante para a aprendizagem e o valor 5 expressava que o recurso era muito interessante e estimulava a vontade de aprender, obteve uma média de 4,6.

Contabilizando-se as seguintes respostas:

Classificação 1 0 respostas
Classificação 2 0 respostas
Classificação 3 1 respostas
Classificação 4 4 respostas
Classificação 5 10 respostas

Grafico7

Figura 7. – Gráfico relativo à pergunta 7

5. Análise dos dados e conclusão

Concluímos sabendo que os resultados obtidos com o presente estudo só demonstram o grau de interesse demonstrado pelos 17 respondentes. A amostra, pelo facto de ser muito reduzida e de não terem sido empregues todas as técnicas de estatística, não pode ser extrapolada para além do grupo em questão.

Podemos constatar, observando o gráfico com as médias de todas as respostas que o grau de interesse demonstrado pelos diferentes RED têm valores muito similares, para o mesmo tipo de recurso, quer ele seja avaliado no papel de aprendente quer no papel de professor. Os recursos preferidos pelos alunos, como auxiliares de aprendizagem, são os mesmos que os professores escolhem para os auxiliar no ensino. Não podemos deixar de ter em atenção o facto de o mesmo indivíduo responder no papel de aluno e no papel de professor/formador. A sua preferência por um determinado tipo de RED pode ser intrínseca e, por este motivo, ter votado da mesma forma nas duas vezes e, desta forma, ter influenciado o resultado final.

Grafico8

 Figura 8. – Gráfico relativo às médias de todas as perguntas

O mesmo gráfico demonstra que o interesse demonstrado pelo recurso em formato de texto é similar ao interesse demonstrado pelo RED em formato de áudio. Talvez se compreenda, com base neste resultado, o facto de os audiobooks nunca terem despertado um grande interesse. Também devemos ter em conta que o interesse (ou a falta dele) demonstrado pelo recurso em formato áudio pode ser o reflexo de o ficheiro modelo, usado no questionário, ser de má qualidade.

Julgamos que ficou provado, tendo por base os resultados obtidos, que entre os três tipos de recursos educativos digitais apresentados neste estudo, o recurso em formato de vídeo é aquele que desperta mais interesse, quer pelos aprendentes para aprenderem com o seu auxílio quer pelos professores/formadores para o utilizarem como auxiliar das suas aulas.

Seria interessante, em estudos futuros, utilizar amostras mais abrangentes para que possam ser mais representativas e permitam que se possa extrapolar os resultados. Também se deveria alargar o estudo a outros tipos de recursos educativos digitais como, por exemplo, imagens e apresentações. Também teria interesse que os respondentes fossem questionados com outros tipos de perguntas onde, por exemplo, lhes fosse perguntado, na sua perspetiva, quais as vantagens e desvantagens que cada tipo de recurso apresenta para eles.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Metodologia de Investigação em Contextos Online com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s